segunda-feira, 24 de março de 2008

Romper da Alma




Romper da Alma

(by Agatha Morenna)


Você chegou de mansinho,

num momento que eu não esperava,

que eu já não mais acreditava no amor.

E com seu jeito carinhoso,

seu jeito de homem meio moleque,

meio maduro,

que sabe a hora certa,

foi me envolvendo...

Não tive como não reparar em você...

Não tive como te deixar passar desapercebido.

Foi atração,

sedução,

tentação.

Não sei o que foi...

Mas agora, você faz parte do meu dia.

Sei que também pensas em mim,

vejo pela tua forma de escrever.

Sempre me procuras,

nem preciso te procurar,

sei que sempre te encontro,

basta eu te chamar...

É gostoso esse carinho,

que vai nascendo de forma tranquila,

sem pressa,

sem atropelos.

Que nasce da segurança de que tudo acontece no seu tempo...

Um carinho escrito em poesias,

que fala direto ao coração,

que rompe a alma,

antes de penetrar o corpo...

Que rompe barreiras,

que rompe o tempo,

que ultrapassa os limites.

Que busca o mais sublime,

o mais autêntico jeito de se amar.

Que não tem pressa de se encontrar,

pois o encontro já aconteceu.

E em cada amanhecer,

a cada poema escrito,

se rompe a alma de dois poetas,

que por acaso, ou não, o destino,

cruzou os caminhos...

E já não existe o talvez,

apenas a certeza,

de que nada passa sem deixar sua marca,

e que essa marca ficará para sempre gravada,

no momento real da entrega,

no momento que os corpos se unem,

no calor da paixão...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

... Seguidores